top of page

Dor no joelho: será menisco?

O joelho é uma articulação inserida no membro inferior que, por si só, sofre muita carga, quer pelo peso do corpo ou pela forma como cada pessoa se comporta no seu dia-a-dia, ou até mesmo pela forma como o pé assenta no solo. Portanto, a resposta é variável e há-que ser avaliado.



Estrutura do joelho

Estruturalmente, o joelho é constituído por dois meniscos, cartilagens que têm um papel essencial na função e na biomecânica do joelho. Os meniscos encontram-se localizados na articulação tibiofemoral e têm como função a absorção de impacto, lubrificação da articulação e promoção de estabilidade articular.


Mecanismo de lesão meniscal

As lesões nos meniscos são mais frequentes em pessoas que pratiquem desporto, ocorrendo essencialmente após movimentos bruscos como acelerações, desacelerações e mudanças de direção.

Quando ocorre lesão do menisco existem alguns sintomas associados nomeadamente a sensação de dor, edema, limitação das amplitudes de movimento e sensação de joelho preso/bloqueado.

As roturas de menisco podem ser classificadas, segundo a sua causa, em duas categorias:

  • traumáticas - ocorrem com mais frequência em pessoas jovens ativas e normalmente estão também associadas a lesões nos ligamentos do joelho.

  • degenerativas - estas resultam de condições crónicas e de mecanismos de atrito, sendo mais frequente em indivíduos a partir dos 30 anos.


Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico costuma ser feito através da análise da história clínica do paciente e da realização de um exame físico, onde são realizados testes para despiste desta lesão. Além disso, podem ser realizados exames complementares de diagnóstico sendo a ressonância magnética o método de eleição.



Relativamente ao tratamento, as roturas meniscais podem ser tratadas de forma conservadora ou não conservadora, consoante o tipo de lesão e sintomas associados.  Quando se trata de uma lesão aguda ou traumática com sintomas como bloqueio do joelho normalmente recorre-se à intervenção cirúrgica onde as opções são a meniscectomia parcial ou total, sutura da lesão meniscal ou transplante.  No caso das lesões crónicas ou degenerativas, a abordagem terapêutica costuma ser conservadora, através de anti-inflamatórios e da realização de fisioterapia.


A fisioterapia nas lesões meniscais

A fisioterapia vai permitir que seja implementado um plano de intervenção que promova uma manutenção das amplitudes articulares, conservação da força muscular e estimulação do controlo motor e estabilidade do joelho, com o objetivo de diminuir a dor e melhorar a função motora.



Se sofreu uma lesão no menisco, entre em contacto com a Fisioterapia em Casa e marque a sua sessão de avaliação, para que um elemento da nossa equipa o possa ajudar!

 



Elaborado por Fisioterapeuta Mariana Berlenga - OF nº 8552

 

Fontes:


  • Cavanaugh, J. (2014) ‘Rehabilitation of meniscal injury and surgery’, Journal of Knee Surgery, 27(06), pp. 459–478. doi:10.1055/s-0034-1394299.

  • Chirichella, P.S. et al. (2019) ‘Treatment of knee meniscus pathology: Rehabilitation, surgery, and Orthobiologics’, PM&R, 11(3), pp. 292–308. doi:10.1016/j.pmrj.2018.08.384.

  • Hede, A. et al. (1990) ‘Epidemiology of meniscal lesions in the knee: 1,215 open operations in Copenhagen 1982-84’, Acta Orthopaedica Scandinavica, 61(5), pp. 435–437. doi:10.3109/17453679008993557.

  • C B Weiss (1989) ‘Non-operative treatment of meniscal tears’, The Journal of Bone & Joint Surgery.

  • Beaufils, P. and Pujol, N. (2017) ‘Management of traumatic meniscal tear and degenerative meniscal lesions. save the meniscus’, Orthopaedics & Traumatology: Surgery & Research, 103(8). doi:10.1016/j.otsr.2017.08.003.

  • Bhan, K. (2020) ‘Meniscal tears: Current understanding, diagnosis, and management’, Cureus [Preprint]. doi:10.7759/cureus.8590.




 





0 comentário

Commentaires


bottom of page