top of page

Como prevenir a canelite?

O síndrome de stress tibial medial, vulgarmente conhecido por canelite, corresponde a um processo inflamatório do osso da canela (tíbia) ou dos tendões e músculos adjacentes à zona.



A canelite é caracterizada por dor na região interna (medial) da perna, principalmente durante atividades físicas, pode ocorrer em qualquer pessoa, no entanto é mais comum em praticantes de corrida. 

 

Quais são os seus sintomas?

O principal sintoma da canelite é a dor na região interna da perna,  Essa dor pode variar desde um leve incômodo, até dores mais agudas que incapacitam a prática desportiva ou até mesmo limitar atividades normais da vida diária. Piora depois de realizar atividade física porém, também pode ser sentida em repouso numa fase mais aguda.

Além disso, é comum sentir edema (inchaço) na perna afetada, sensibilidade ao toque e aumento da temperatura na zona.


Quais as suas possíveis causas?

  • Excesso de treino/carga

  • Atividades físicas de alto impacto

  • Uso de calçado inadequado

  • Pé chato

  • Prática de exercício em solos irregulares

  • Falta de alongamento


Como prevenir a canelite?

A prevenção da doença envolve a implementação de diversas estratégias que visam reduzir o risco de desenvolvimento da condição.

Realizar um aquecimento adequado antes de uma atividade física é uma prática fundamental.

Evitar aumentos abruptos no volume ou na intensidade do treino é outra medida crucial. Uma variação controlada e progressiva permite que o corpo se adapte gradualmente, prevenindo a sobrecarga.

A escolha de calçado adequado desempenha um papel essencial na prevenção. Optar por tênis com suporte apropriado e absorção de impacto, levando em consideração a pisada e a biomecânica individual, é um componente vital para mitigar o risco de canelite.

O reforço muscular, especialmente dos músculos adjacentes à tíbia através de exercícios específicos, é uma estratégia eficaz para reduzir a sobrecarga e fortalecer a região.

Garantir tempo suficiente para a recuperação entre os treinos e incluir dias de descanso na rotina são práticas essenciais.


Como a fisioterapia pode ajudar no tratamento da canelite?

O tratamento através da fisioterapia envolve uma abordagem abrangente, visando a recuperação e prevenção de recorrências. A avaliação biomecânica desempenha um papel crucial, permitindo a identificação de desequilíbrios musculares e padrões anormais de marcha para direcionar o tratamento de forma precisa.

Um componente importante do tratamento inclui a implementação de exercícios de fortalecimento específico. Através de um programa elaborado de acordo às suas necessidades e limitações.

Além disso, técnicas de alongamento específicas são recomendadas para melhorar a mobilidade e reduzir a tensão muscular na região. A terapia manual, através da aplicação de técnicas como libertação miofascial, é usada para aliviar a tensão muscular


Em conclusão...

A canelite pode ser uma preocupação comum, porém, ao adotar estratégias apropriadas de prevenção e tratamento, é possível minimizar o risco e lidar eficazmente com essa condição. Passos fundamentais incluem o cuidado com a biomecânica, a escolha de calçados adequados e a integração de práticas de fortalecimento, mobilidade e recuperação.

Para abordar de maneira personalizada as necessidades individuais, é crucial consultar um fisioterapeuta e desenvolver um plano de tratamento. Isso assegura uma abordagem direcionada e efetiva de lidar com a canelite.



 

Fontes:


  • Patil, S.S.D. (2016). Shin Splints. In: Valderrabano, V., Easley, M. (eds) Foot and Ankle Sports Orthopaedics. Springer, Cham. https://doi.org/10.1007/978-3-319-15735-1_19

  • Deshmukh N S, Phansopkar P (July 07, 2022) Medial Tibial Stress Syndrome: A Review Article. Cureus 14(7): e26641. doi:10.7759/cureus.26641

  • Bhusari N, Deshmukh M. Shin Splint: A Review. Cureus. 2023 Jan 18;15(1):e33905. doi: 10.7759/cureus.33905. PMID: 36819450; PMCID: PMC9937638.

  • Tolbert, Timothy A PhD, ATC; Binkley, Helen M PhD, ATC, CSCS*D, NSCA-CPT*D. Treatment and Prevention of Shin Splints. Strength and Conditioning Journal 31(5):p 69-72, October 2009. | DOI: 10.1519/SSC.0b013e3181b94e3c



0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page