FISIOTERAPIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

Como começar a recuperar a mobilidade em várias disfunções de ossos, músculos e articulações.

Sente dor na lombar, quando está muito tempo sentado?

Tem um trabalho repetitivo que lhe provoca dores fortes junto às articulações - tendinite?

Um dos seus pais foi submetido a uma cirurgia, esteve muito tempo internado e veio para casa mais debilitado?

Fisioterapia Músculo-Esquelética

O Fisioterapeuta intervém em disfunções do sistema músculo-esquelético (ossos, músculos e articulações), habitualmente associadas ao alívio da dor/inflamação e à recuperação das amplitudes articulares, força muscular e da qualidade do movimento, seja por trauma (fraturas) ou pós-cirurgia (por exemplo, prótese de anca ou de joelho).
 

Seguem exemplos de condições comuns em que a Fisioterapia tem um papel preponderante:

Artrose

A artrose não é mais do que o desgaste da cartilagem que envolve as extremidades ósseas que constituem uma articulação, permitindo que o movimento ocorra sem atrito/resistência. Quando há artrose, é habitual existir deformidade na articulação (mais larga), dor e limitação de movimento. É progressiva e não existe cura.

 

A Fisioterapia é uma área importante no controlo dos sintomas, contribuindo para a diminuição da dor e o aumento da funcionalidade.

Lombalgia

A lombalgia é uma dor na região lombar. Em situações mais agudas e graves, pode ser incapacitante e também irradiar para os membros inferiores, implicando muitas vezes o acamamento. Normalmente, a origem desta dor pode ter várias origens: hérnia discal, movimentos bruscos de inclinação ou torção do tronco, más posturas, entre outros.

 

O Fisioterapeuta pode ser determinante na recuperação de uma lombalgia, quer no fortalecimento muscular e controlo postural, quer no ensino de estratégias e posicionamentos adaptados à vida laboral/pessoal de cada um.

Recuperação pós-operatória

Um período de internamento pressupõe um grau de imobilidade, que é tanto maior quanto a idade, o período de tempo de acamamento ou a gravidade da situação clínica que o causou (por exemplo, cirurgia).

 

A Fisioterapia pode ajudar o doente a restabelecer a sua vida normal, através de um plano de exercícios com objetivos progressivos e adaptados a cada condição.

Outras condições músculo-esqueléticas

Existem muitas outras patologias comuns em que a Fisioterapia pode atuar para criar mais qualidade de vida:

  • Entorses

  • Fibromialgia

  • Ruturas musculares

  • Tendinites

  • Trauma/quedas

woman%20in%20black%20tank%20top%20lying%

Fisioterapia em condições músculo-esqueléticas

A área músculo-esquelética é frequentemente ligada ao Desporto, seja pela prevenção de lesões ou pela recuperação das mesmas. No entanto, esta área engloba inúmeras condições que não estão relacionadas com desportistas, mas com todas as pessoas, isto é, qualquer pessoa pode fazer uma entorse num tornozelo ou conhecer uma pessoa mais velha que tenha artroses nos dedos ou nos joelhos. O Fisioterapeuta ajusta a sua intervenção ao seu tipo de lesão/condição e ao seu contexto desportivo ou laboral.

Sofro ou conheço alguém com problemas ligados ao envelhecimento. Como pode a Fisioterapia ajudar?

De uma forma geral, a Fisioterapia é relevante para:

  • Aumentar a força muscular

  • Diminuir a dor

  • Melhorar a amplitude articular

  • Diminuir o edema (inchaço) dos membros

  • Restabelecer o equilíbrio

  • Aumentar a flexibilidade

  • Melhorar a tolerância ao esforço

  • Realizar marcha (o andar)

Como são as sessões de Fisioterapia em condições músculo-esqueléticas?

As sessões de Fisioterapia serão sempre planeadas, de acordo com o tipo de condição e as características da pessoa. Na maioria das condições músculo-esqueléticas, é muito importante indicar quais os melhores posicionamentos/posturas a adotar para determinada situação. Por exemplo:

 

  • Nos casos de um pós-internamento, o doente saber transferir-se da posição de deitado para sentado, de forma independente e em segurança.

  • Pessoas que trabalham muito tempo no computador e têm dores na coluna e nos punhos, saber adaptar a área de trabalho, a altura da cadeira e a posição de sentado para evitar as dores.

  • Em situações de lombalgia, saber utilizar o corpo para carregar pesos, para realizar tarefas diárias (como fazer a cama) ou para entrar no carro, sem despoletar a dor.

Quanto tempo demora a recuperação de doenças ligadas ao envelhecimento?

 

Esta é uma área que engloba uma grande diversidade de condições, logo o período de intervenção vai depender de vários fatores como o tipo de condição, a idade do doente, o tipo de atividade que tem (laboral/desportiva) e quais os objetivos que tem. Como em todas as outras áreas, situações mais crónicas pressupõem acompanhamentos mais prolongados no tempo. 

Para mais informações, entre em contato connosco ou agende uma sessão de avaliação para iniciar a sua recuperação o mais brevemente possível. 

woman%20in%20black%20tank%20top%20lying%

Comece hoje mesmo a recuperar a mobilidade.