Viver com a Esclerose Múltipla

A Esclerose Múltipla é uma doença inflamatória, crónica, progressiva e autoimune, que provoca alterações ao nível do Sistema Nervoso, ao nível da propagação de informação do cérebro aos músculos.

É mais comum nas mulheres e surge, habitualmente, entre os 18 e os 50 anos de idade, sendo muito incapacitante pois afeta todas as dimensões da vida, tanto profissional como pessoal.

Os neurónios, fibras responsáveis pela transmissão de informação entre o cérebro e o corpo, são envoltos por uma baínha de mielina, que protege as fibras e aumenta a velocidade dessa comunicação.

Na Esclerose Múltipla, há a destruição dessa mielina (desmielinização), provocando falhas na transmissão dos impulsos nervosos, para além do processo inflamatório que destrói essas fibras.


A Esclerose Múltipla classifica-se em quatro formas:

  • surto-remissão, a mais frequente, em poderá haver recuperação total ou parcial dos sintomas, sem progressão;

  • secundária progressiva, em que geralmente desenvolve-se em doentes que sofrem ou sofreram da forma de surto-remissão e difere desta por existir um agravamento gradual dos sintomas;

  • primaria progressiva, em que há perda gradual das funções corporais desde o início, sem presença de surtos;

  • progressiva recidivante, em que existe progressão da doença desde o início, com surtos bem definidos e com recuperação total ou parcial.

Sinais e Sintomas

O nome da doença deriva da multiplicidade de lesões focais no cérebro e os doentes com Esclerose Múltipla podem apresentar vários sinais e sintomas, dependendo da zona lesionada:

  • perda de equilíbrio e coordenação;

  • ataxia (marcha descoordenada),

  • problemas de visão e sensibilidade;

  • perturbação da fala e deglutição,

  • tremores e dormência;

  • fadiga;

  • falta de força muscular;

  • rigidez e espasticidade;

  • alterações no sistema urinário e intestinal;

  • disfunção sexual;

  • problemas cognitivos (memória e raciocínio);

  • dor;

  • depressão;

  • alterações comportamentais.


Causas

Apesar das causas ainda não serem totalmente conhecidas, pressupõe-se que haja vários fatores que possam estar associados ao surgimento da doença, tais como:

  • virais, que pode provocar uma reação do sistema imunológico para atacar/destruir os tecidos do próprio corpo e por isso, é definida como uma doença autoimune;

  • genéticas, existindo maior probabilidade de sofrer da doença se um familiar com um grau de parentesco direto (pais ou irmãos) estarem diagnosticados.

  • hábitos tabágicos;

  • diminuição da exposição solar/défice de Vitamina D, associado a climas temperados;

  • obesidade na adolescência.


Diagnóstico e Prognóstico

O diagnóstico é efetuado por neurologista, através da história clínica e de exames neurológicos e imagiológicos como a Ressonância Magnética. Embora incapacitante, o prognóstico é bastante variável, dependendo da forma de Esclerose Múltipla que o doente tiver.


Tratamento

Para além da medicação (através de corticoides, entre outros), a Fisioterapia e a atividade física são importantíssimas para recuperar as limitações ou retardar a perda da funcionalidade. A Fisioterapia é importante em todas as fases/formas da doença e atua, não só nos sintomas físicos (diminuição da dor, falta de força, de equilíbrio, de coordenação, alterações na marcha…) e na prevenção de quedas, como também contribui para a motivação e, por isso, tem implicações na melhoria do estado psicológico do doente.


Vários estudos demonstraram que a fisioterapia presencial ou remota/online podem ter os mesmos efeitos, sendo esta última mais vantajosa para doentes que mantêm a atividade profissional, pois permite maior flexibilidade de horário.

Se sofre de Esclerose Múltipla, saiba que a Fisioterapia em Casa disponibiliza acompanhamento presencial ou remoto/online (avaliação prévia presencial obrigatória). Entre em contacto connosco e faça o seu agendamento.

 

Fontes:




0 comentário

Posts recentes

Ver tudo